segunda-feira, 7 de abril de 2008

Sexualidade literária



Caros colegas, andando por aí a navegar em blogs de editores e livreiros, deparei-me com uma questão que me tem fustigado a alma. Ler é sexy? Es decir, ?leer puede ayudarme a conocer la mujer de mi vida? Gostava de ler as vossas opiniões, de preferência sensualmente.

11 comentários:

João disse...

Ler é sexy.
Eu leio.
A Mónica Bellucci é sexy.
Eu não tenho a Mónica Bellucci.

Acho que isto responde a qualquer questão que possas colocar.

Dinis Lapa disse...

Não tens a Monica Bellucci porque ela é minha!

sim, responde, mas quero ouvir alguém dizer que não é sexy, que é uncool.

João disse...

Confesso que "sexy" me parece um bocado exagerado mas é impossível negar que se tornou uma fonte de estilo: o livrinho de poesia obscura tem sido a melhor frase de engate dos últimos anos.

Nuno disse...

Ler é sexy, desde que a leitura não seja excessivamente interessante.

A Laetitia Casta já veio a Portugal pelo menos 3 vezes, se eu não a vi, provavelmente estava a ler algo interessante.

Dinis Lapa disse...

Nuno e João, compreendo-vos, mas o que eu quero mesmo saber é se as mulheres acham que ler é sensual.

Eu acho sensualíssimo uma mulher a ler, especialmente as bibliotecárias quando soltam o cabelo abanando a cabeça.

Outra coisa, acho que uma campanha publicitária que advoga a sensualidade da leitura daria mais frutos que qualquer outra.

João disse...

Não, tu achas sensualíssimas "as bibliotecárias quando soltam o cabelo abanando a cabeça"...

Só te posso dizer que não acho o acto de ler algo sexy - acho bom, cativante, blablabla mas sexy, nem por isso. Por outro lado, acho que as baixistas são sexy, por isso, acho que não sou a melhor pessoa para opinar nestes campos, na área da sexyssidade (Sexo & A Cidade?).

(onde andam as vozes femininas do Mestrado? O Dinis precisa de uma resposta!!)

João disse...

(...) acho bom, cativante, blablabla mas sexy, nem por isso. Por outro lado, acho que as baixistas são sexy, por isso, acho que não sou a melhor pessoa (...)"

peço perdão pelo uso excessivo e um tanto ou quanto retardado da palavra "acho".

Dinis Lapa disse...

acho que a palavra acho acha que acho é uma boa palavra. usa-a muito.

sim, eu só quero saber se devo ou não abrir um livro se me sentar ao pé duma mulher que me cative, ou se devo cuspir para o chão.

mas pronto, ACHO que nenhuma femme vai comentar este post. quem cala consente? então ler é sexy.

Drekas disse...

Dinis Lapa: O tempo que perdes em teoria, não seria melhor empregar na prática. :P
Ler é sexy sim e um homem que sabe reflectir sobre o que lê (atenção, reflectir, não é ser papagaio) é culto e a cultura fica sempre bem :P
Como diria o Prof. Zink "dá estilo"

Madalena disse...

Ok.
Então cá vai a opinião de mais uma mulher. E uma das maduras, o que também dá aqui algum "sainete" como há quem diga.
Uma mulher madura sabe muito de coisas sexy. Pelo menos tem obrigação disso.
Na minha opinião, o que é sexy não é a leitura, é a atitude.
Por isso, caro Dinis, quando te sentares ao pé de uma mulher pela qual estejas a sentir um certo "frisson" convém que não cuspas para o chão, independentemente de teres ou não um livro à mão.
Agora, pior que cuspir para o chão é cuspir para o ar!!! É certo que te vai cair em cima e, muito provavelmente, da tua parceira.
Por outro lado isso das bibliotecárias que soltam os cabelos e abanam as cabeças é um cliché que vem muito de um certo cinema de "autor" que normalmente passa no Cinebolso, vizinho da nossa bem amada Tasca do Careca.
Na vida real, não há bibliotecárias de óculos que soltam e sacodem vastas cabeleiras.
Mas enfim, do ponto de vista feminino, posso dizer-vos que entrar numa livraria e ver um tipo bem apessoado a folhear um livro que depois leva até à caixa para pagar, tem algo de sexy sim senhor.
Cá para mim, esse tipo tem mais possibilidades que os que vão à bola! é mesmo uma questão de cultura.
E se for o George Clooney - dignissímo equivalente das Mónicas Bellucci e das Laetitias Casta, o efeito é potenciado ao infinito.
Disse!!

Dinis Lapa disse...

Madalena, foi um prazer ler tão sábias palavras.